UnB instala Comissão da Verdade com depoimento inédito: Anísio Teixeira foi morto pelo Regime Militar | FalaRioGrande.com.br


25 de agosto de 2012
por

UnB instala Comissão da Verdade com depoimento inédito: Anísio Teixeira foi morto pelo Regime Militar

Professor baiano surpreendeu os presentes na cerimônia ao narrar depoimentos que reforçam a suspeita de que Anísio Teixeira, fundador da Universidade, foi assassinado pelo regime militar

 

Débora Cronemberger – Da Secretaria de Comunicação da UnB  <http://www.unb.br/noticias/unbagencia/unbagencia.php?id=6934>

 

Um pedaço sombrio da história do Brasil começou a ser esclarecido no final da manhã desta sexta-feira, 10 de agosto. Quatro décadas após ser encontrado sem vida no fosso de um elevador, no Rio de Janeiro, um depoimento inédito pode mudar a versão oficial da morte de Anísio Teixeira, fundador da Universidade de Brasília e um dos nomes mais importantes da educação brasileira.

O relato, feito inesperadamente durante a instalação da Comissão da Verdade da instituição dirigida por Anísio Teixeira de junho de 1963 a abril de 1964, reforçou a importância da criação desta instância de investigação pelo reitor José Geraldo de Sousa Junior. Batizada com o nome do educador, a Comissão da Verdade nasce cumprindo seu propósito principal: resgatar a verdade de fatos ocorridos durante o regime militar, entre eles os desaparecimentos dos alunos do campus Darcy Ribeiro Honestino Guimarães, Ieda Santos Delgado e Paulo de Tarso Celestino.

Ao pedir a palavra, durante a cerimônia, João Augusto de Lima Rocha, professor da Universidade Federal da Bahia, surpreendeu os cerca de 150 docentes, alunos e autoridades presentes. Na tribuna do auditório da Reitoria, o professor revelou o conteúdo de três depoimentos aos quais teve acesso nos anos seguintes ao sepultamento do pioneiro da Educação Nova (leia aqui matéria sobre o Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova, de 1932).

As narrativas reforçam a suspeita de que Anísio Teixeira foi assassinado pelo regime militar, ao contrário do que relatam os documentos da época. O professor João Augusto afirma ter ouvido de Luiz Viana Filho, governador da Bahia quando Anísio Teixeira foi encontrado morto, que o educador foi preso no dia 11 de março de 1971 e levado para o quartel da Aeronáutica.

 

A data é a mesma em que o educador desapareceu, após sair da Fundação Getúlio Vargas em direção à casa do filólogo Aurélio Buarque de Holanda, localizada no edifício Duque de Caxias, na Praia do botafogo, número 48. O corpo foi encontrado no fosso do elevador dois dias depois, em 13 de março. “Em dezembro de 1988, Luiz Viana Filho me confessou, com base em fontes militares de sua confiança, que Anísio foi preso no dia que desapareceu e levado para o quartel da Aeronáutica. A operação, segundo suspeitas do médico Afrânio Coutinho, teve como mentor o brigadeiro João Paulo Burnier, figura conhecida do regime militar e que tinha o plano de matar todos os intelectuais mais importantes do Brasil na época”, disse João Augusto.

De acordo com os relatos de policiais da 10ª Delegacia de Polícia, responsáveis pela investigação do caso à época, Anísio Teixeira estava “de cócoras, com a cabeça junto aos joelhos, sob um platô de cimento armado, meio metro acima do fundo do poço”. Havia ferimentos na base da cabeça e no rosto e respingos de sangue na parte interna da casa de força. Pasta de documentos e óculos estavam intactos ao lado do corpo. Os depoimentos dos agentes estão detalhados na edição de 15 de março do jornal Última Hora. Leia aqui.

Além do testemunho de Luiz Viana Filho, João Augusto soube do relato de dois médicos que viram o corpo de Anísio Teixeira durante a necrópsia. “Os médicos Afrânio Coutinho e Clementino Fraga Filho tiveram acesso ao corpo de Anísio devido a um engano do Exército. No dia que o corpo de Anísio foi encontrado no fosso do elevador, um militar havia se suicidado no mesmo bairro. Quando o rabecão passou para pegar o corpo do oficial, pessoas do prédio onde Anísio foi localizado pediram que levassem o corpo”, contou. “Se soubessem quem era, talvez a necropsia não tivesse ocorrido”.

O professor conta que ouviu de Afrânio que os graves ferimentos de Anísio Teixeira jamais poderiam ter resultado de uma queda no fosso do elevador. Afrânio repassou ao professor a mesma opinião que teria escutado de Clementino. “Anísio teve todos os ossos quebrados, o que seria impossível acontecer com a queda no fosso”, contou o professor à plateia, que, perplexa, ouvia atentamente e em silêncio. Leia aqui reportagem da revista DARCY sobre a trajetória de Anísio Teixeira.

Nenhum dos depoimentos foi gravado. Luiz Viana Filho e Afrânio Coutinho morreram, o primeiro em 1990 e o segundo dez anos depois. Clementino Fraga Filho é o único ainda vivo. “Nas conversas que tive com o ex-governador e com Afrânio, eles não aceitaram fazer o registro sobre o assunto. O depoimento de Clementino me foi passado por Afrânio”, disse o professor. “Era uma outra época. As pessoas tinham medo de falar. A própria família de Anísio tinha receio, mas os filhos querem agora reaver essa história”, comentou João Augusto. Segundo ele, Clementino está com 94 anos. “Vou tentar convencê-lo a falar publicamente sobre o assunto”, completou.

João Augusto, que participou da cerimônia porque estava em Brasília para uma reunião da Federação de Sindicatos de Professores de Instituições Federais de Ensino Superior (Proifes) e viu o anúncio da instalação da Comissão da Verdade, revelou ainda que Afrânio Coutinho confidenciou ter escrito um texto contando a história da necropsia. O material, segundo o professor, teria sido deixado na sede da Academia Brasileira de Letras com a recomendação de que fosse tornado público apenas em 2021. “Passei 20 anos em busca de provas destas histórias. Ao saber da criação da Comissão, percebi que era hora de contar”, disse. Leia aqui entrevista com o professor em que narra em detalhes o que ouviu.

 

NOVO SIGNIFICADO – O relato do professor da Universidade Federal da Bahia conferiu significado ainda mais amplo à Comissão da Verdade da UnB. “Não conhecia esses depoimentos sobre a morte de Anísio. É um caso para se investigar. Inclusive podemos trabalhar em conjunto com a Comissão da Verdade da UnB”, disse Gilnei Viana, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. “Esse pode ser o nosso fio da meada. Além da importância inquestionável para a UnB, Anísio Teixeira é um dos principais nomes da história da educação brasileira”, comentou o coordenador de investigação da Comissão da Verdade Anísio Teixeira, o professor do Instituto de Ciências Humanas José Otávio Nogueira Guimarães.

Iara Xavier Pereira, da coordenação do Comitê da Verdade do Distrito Federal, afirmou que sempre houve dúvidas quanto à morte de Anísio Teixeira. “Sempre houve suspeita, mas nunca surgiu nada concreto. Esses depoimentos, citados pelo professor, são novidade”, disse.

Criada para investigar os casos de repressão que envolvem a UnB, a Comissão Anísio Teixeira conta com 11 integrantes, entre professores e ex-alunos vítimas do período da repressão e tem como presidente o ex-reitor Roberto Aguiar. É a primeira Comissão com esta finalidade criada por uma universidade brasileira. Leia aqui depoimentos de vítimas da ditadura militar narrados durante a instalação da Comissão.

 

TRABALHO CONJUNTO - José Geraldo abriu a cerimônia com mensagem enviada por Paulo Sérgio Pinheiro, membro da Comissão Nacional da Verdade, instalada pela presidenta Dilma Rousseff em maio deste ano para elucidar os crimes do período da repressão em âmbito nacional. “Afirmo meu desejo de ajudar a estreitar todos os vínculos de cooperação com a Comissão Nacional da Verdade, que tem o poder de convocar qualquer cidadão, assim como tem acesso a todos os documentos existentes em nosso país em qualquer nível de acesso que estejam. Creia que nossa competência está à plena disposição da Comissão da Memória e Verdade Anísio Teixeira para a realização plena de seus objetivos”, disse na carta. Para José Otávio Guimarães, essa possibilidade de convocar pessoas para depor será fundamental para os trabalhos.

O reitor José Geraldo ressaltou que a Comissão Anísio Teixeira surge com a proposta de complementaridade com os trabalhos da Comissão Nacional da Verdade. “Não há redemocratização plena se não resgatarmos a memória desta experiência. Ocultamentos nos levam a incidir sobre novos desvios”, disse. Outra característica apontada por ele é o aproveitamento de experiências e trabalhos realizados sobre o tema. José Geraldo citou como exemplo a reedição do livro Universidade Interrompida, de Roberto Salmeron, dentro das comemorações do jubileu da UnB.

Mateus Guimarães, sobrinho do líder estudantil Honestino Guimarães, que estudou Geologia na UnB e desapareceu em 1973, acrescentou outro aspecto que ele considera fundamental para orientar os trabalhos da Comissão da Verdade. “O resultado final mais importante será resgatar o projeto universitário idealizado pelos fundadores da UnB, tão necessário e fundamental para um país como o nosso”, disse Mateus. “Um projeto baseado no princípio da emancipação de pessoas”, acrescentou José Geraldo.

Cristiano Paixão, coordenador de relações institucionais da Comissão da UnB, destacou o interesse que o resgate da memória e da verdade desperta entre várias gerações. “É impressionante a atenção que estudantes nascidos após a Constituição de 1988 dão a esse tema. A maior contribuição que podemos dar se insere na dimensão do aprendizado”, afirmou. Paulo Abrão, secretário nacional de Justiça, elogiou a iniciativa pioneira da UnB. “A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça deve muito à Universidade de Brasília. Boa parte dos membros da Comissão se formaram aqui ou são professores daqui”, destacou em seu pronunciamento.

 

E SE HONESTINO ESTIVESSE AQUI - A cerimônia foi marcada também por manifestação de estudantes. Usando máscaras com a imagem do rosto de Honestino Guimarães, em uma manistação que chamaram “Movimento Honestinas”, os alunos distribuíram panfletos para divulgar a idéia da chapa Honestino Guimarães de “não candidato” à reitoria da UnB. Atualmente, está em curso no campus consulta organizada pelos três segmentos da Universidade para escolha do próximo reitor. A lista será levada ao Conselho Universitário, a quem cabe elaborar lista tríplice de indicados destinada à Presidência da República. Quatro dos candidatos estiveram presentes à cerimônia: João Batista de Sousa, Márcia Abrahão, Paulo César Marques e Volnei Garrafa.

Na entrada do auditório, os estudantes afixaram cartazes com a pergunta: “O que faria Honestino Guimarães se fosse reitor da UnB?” “Essa pergunta me deixou abalado”, disse Paulo Abrão no final da cerimônia. “Eu acho que se Honestino fosse reitor da UnB. Ele faria o mesmo que José Geraldo: criaria a Comissão da Verdade da UnB”.

A primeira reunião da Comissão será marcada na próxima semana. A partir da próxima segunda, a UnB promove festival de cinema para divulgar a Comissão Anísio Teixeira. Saiba mais aqui.

 

 Integrantes da Comissão Memória e Verdade Anísio Teixeira
1. Roberto Armando Ramos de Aguiar (presidente)
2. José Otávio Nogueira Guimarães (coordenador de investigação)
3. Cristiano Otávio Paixão Araújo Pinto (coordenador de relações institucionais)
4. Simone Rodrigues Pinto (coordenadora de redação e sistematização)
5. Daniel Barbosa Andrade de Faria
6. Eneá de Stutz e Almeida
7. Fernando Oliveira Paulino
8. Beatriz Vargas Ramos Gonçalves de Rezende
9. Cláudio Antônio de Almeida
10. Luiz Humberto Pereira Martins
11. Nielsen de Paula Pires 


Este artigo ainda não possui comentários

Responder

XHTML: Você pode utilizar as tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>